A Menina do Coração Tagarela

Esse coração fala demais.

O retorno das Ilustres Memórias

Sinto-me diferente nesta noite morna e apenas o ruído da casa ao lado a incomodar. À noite poderia ser igual a todas as outras. Sono. Descanso. Sonho. Poderia ser assim, mas à vontade de dormir não chegou. Então, peguei antigos manuscritos e comecei a folhear cada página escrita. Ao ler cada linha a minha mente voltou quatro anos atrás e fui revivendo cada momento de angústia e de alegria naquele período. Fui percebendo os detalhes na mudança das caligrafias. Os manuscritos pareciam mais um confissionário e a qualquer momento poderia retornar a ele e comprovar o que estava dizendo. Foram muitas alegrias, muitas explicações, várias teorias loucas e muitos amigos. Estes guardo comigo para sempre e hoje posso lhes mostrar os nossos devaneios para matar a monotonia que vivíamos naquela época. No entanto, serviu para nos unir e sermos quem somos atualmente: amigos.

Nossa! Quantas palavras estranhas, quantos sentidos loucos, quanta imaginação. Era desta maneira que progredíamos sem fazer muito esforço. Houve tempos que cheguei com o mais belo sorriso estampado no rosto, houve momentos – poucos e duradouros – que não queria falar e estava chateada com o mundo, ainda assim, superei tudo isso e vivo tranquilamente. Talvez, fosse um preparo para fortes emoções que só no futuro/presente tenho vivido e saído da turbulência da melhor maneira. Sem marcas ou qualquer ferimento, de cabeça erguida.

Ao reler os manuscritos o meu semblante era de uma criança quando ganha algo, feliz. Lembrando das cenas que originaram cada palavra escrita e tenho o prazer de mostrá-las e sorrir delas sem esperar que termine a frase. Não sei se vivi da melhor maneira possível, mas creio que foi o suficiente, nada vai me fazer esquecer e o mais legal de tudo é reencontrar as mesmas peças desse tabuleiro e jogar com outras regras apenas seguindo o coração. E bem tenho certeza que o remorso instantâneo aparecerá e, em virtude da nossa vida atualmente, passa-se uma borracha, não para esquecê-las, apenas para apaziguar o sentimento sofrido.

De todas as coisas boas existentes no mundo, nada com a alegria para atrair uma infinidade de boas ações. E antes de ler os manuscritos o meu coração estava em trevas o que já não posso afirmar da mesma forma, vive na saudade junto com a felicidade.

7 Comentários:

Bravo! Bravo! Bravíssimo!

A espontaneidade com que seus textos fluem é ótima, continue deixando seu coração tagarela falar...

Bjs!!!

 

Que bom que ainda encontra lembranças em antigos manuscritos, assim, detalhes não se perderão com o tempo. Eu já não tenho muita coisa para me lembrar do que passou, nunca costumei escrevê-las, as vezes escrevia num fotolog, mas o desativei para me livrar delas e até que me arrependo.

Enfim...
a cada dia que passa, vc se torna mais mulher sem perder a eterna criança dentro de ti.
Muito mais experiências virão, mais páginas serão escritas.
E mais de uma nova mulher será acrescentado em vc, num infindável ciclo de aprendizado.

 

Muito bom esse texto... o texto certo na hora certa... =)

Te adorooooo e tô esperando você vim me visitar! ;)

Bju!

 

olhar pra tras nem sempre pode fazerbem pra gente...tanta coisa ja vivida!
so vamo tocar em frente, parar é que nao pode

 
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
 

Ahhh guria! Como adoro pegar aqueles textos velhos, cartas e bilhetes, relembrando o passado! hehehehe É muito bom, tudo retorna como um filme em slides... O Coração aperta de saudades, dá vontade de ligar pra todo mundo e dizer: Caramba, sabe como eu sinto falta daquele tempo e o quanto eu gosto de você? (porque temos a mania de atribuir a personalidade da criança ao ser humano adulto que cada amigo se tornou, esquecemos que todos mudam, uns pra melhor outros pra pior) Ai ai... Esse texto me deixou com saudades. Espero ser uma dessas suas boas lembranças daqui a algum tempo... :)

Beijão :*

 

Memórias...

Bem... É mais uma madrugada, tento repousar, não conseguindo e aqui estou. Diante de mais um texto seu e guiado pela luz lunar.

O que me impressiona é o seu jeito de escrever. Ao ler o texto tenho a sensação de que não se trata de um texto, e sim de uma conversa. Tento Imaginar como você consegue atingir tal grau da imaginação. O texto chega a se tornar uma miragem do seu belo sorriso estampado em sua face e as palavras escritas tornam-se as vibrações das moléculas de ar que produz o som, som este que se transforma na sua voz e chega a tocar a minha alma. Quando me dou conta já estou recordando os meus melhores momentos, onde dei gargalhadas junto aos amigos, aquela nota baixa que costumava tirar em matemática e física, aquele meu trabalho de literatura que eu tinha mandado o palhaço e desenhista da turma fazer a capa e ele fez um raio, aquela menina da turma que ao olhar os trabalhos sobre o birô sorriu e disse “vixe, o que é isso hein?! Mandaram até um trovão pra professora!” e eu reclamando pro cara que tinha feito a capa “ta vendo, tu é lasca! Olha que capa feia! Até a menina esta mangando!”. Por algum motivo não fiquei nem um pouco chateado, acho que deve ter sido pelo sorriso contagiante que ela tem, quando me dei conta lá estava eu sorrindo, sorrindo e sorrindo.

Risadas...

Espera um pouco!

Já esta amanhecendo...

A partir de agora sou guiado pela luz solar.

Pei Fang?

Pei Fang?

Você esta aqui?

Quando acaba o texto eu caio em si e penso “ta vendo, ta vendo, você já sumiu. Mas o texto é um rastro de que você esteve aqui, pelo menos já tenho uma desculpa, uma prova plausível pra dar ao psiquiatra, pois só assim ele acreditará que eu estive conversando com você...”

Bem... Até na foto você acertou em cheio. Ela passa a idéia de que havia crianças brincando em um park natural, onde a luz é fornecida pelo rei sol, as bases do park são sólidas como as arvores, o piso emite o som mágico das folhas secas que parece conversar com o corri-corri das crianças e gargalhadas, como se não bastasse o park ainda concebe a brisa suave do vento que parece abraçar as inocentes crianças. Mais ai, o tempo passa e as crianças vão embora e seguem o seu rumo, elas precisam ir a busca das realizações dos seus sonhos... E o maravilhoso park, sempre fará com que elas recordem o quanto foram felizes... Ao olharem para o park, elas enxergarão um portal para “o retorno das ilustres memórias”.

Agora será fácil repousar da miragem que vi ou desta conversa que tive, às vezes tenho a sensação de que os seus textos são os medicamentos que me fazem ter uma noite de sono tranqüila e suave.

Perfeito. Talvez esta palavra consiga circunscrever este texto.

Sorrisos...

Beijos...

Marcos Costa