A Menina do Coração Tagarela

Esse coração fala demais.

A solidão é um bálsamo

Eu não sei bem o que estou sentindo. Os últimos dias tenho me desapontado tanto com as pessoas que me faz ficar incrédula.  Não acreditar mais no ser humano, pelo menos os que estão ao meu redor.

Eu não sei se me fechei ou se realmente tudo isso aconteceu. Minha cabeça dói, gira tanto e não consigo pensar noutra coisa a não ser no que acho que estão fazendo comigo.

Desde o dia que saí do meu mundo, este que vivemos tem me deixado muito triste, tem me feito repensar muitas coisas e acreditar que ficar sozinha é o melhor caminho. Uns têm a sorte de estar bem acompanhado, outros como eu, não. Não sei bem se isso tem a ver com sorte, mas a solidão é um bálsamo.

Tenho pensado em tantas coisas e não tenho outro assunto a não ser desistir. Desistir para começar de novo ou não. Mudar sim. Mudar para viver melhor, sem pensamentos que afogam minhas forças e inibem minhas ações.

Não costumo fazer o tipo de agradar a todo mundo, não faço questão alguma. Na verdade, minha frieza me protege. Porém minha proteção está acabando e preciso voltar para o meu lugar.

Tudo não passou de aventura. E eu achei que estava vivendo, sendo feliz. Porque felicidade não é igual aos filmes que são só sorrisos. Estava tudo dando certo, em todas as áreas, difícil até de acreditar. Repentinamente começou a mudar. Mudar é a palavra.

Eu devo ser muito paciente para aguentar calada ou tola o bastante para aceitar e não agir conforme manda a minha razão. É, observando bem, tenho agido com a emoção. Pensando melhor, esta não sou eu. Tenho sido guiada pela emoção e isso nunca me aconteceu. Preciso voltar à razão e colocar os trilhos no lugar.

Não sei se demora, mas vou procurar o melhor para mim e parar de ficar pensando e consumindo minha paz. Preciso de paz. Paz de espírito, paz no meu caminhar. Preciso largar as coisas que não acrescentam em nada à minha vida.

Preciso aprender a ser mais razão e menos emoção. Espero conseguir o mais breve possível para dormir, acordar, trabalhar e voltar para casa sem pensar em coisas que não valem à pena. Que assim seja!